6° Festival Gastronômico e Cultural de Pirenópolis e 1ª Festim, um sucesso

Provar delícias preparadas pelos maiores chefs de cozinha do mundo e conhecer um pouco mais da rica cultura goiana

Publicado em 1 de julho de 2010

Na oportunidade, foi possível provar desde pratos típicos da gastronomia goiana oferecidos a preços populares, até receitas exóticas e sofisticadas preparadas por alguns dos mais premiados chefs do País, como Alex Atala, e do exterior, como o dinamarquês Simon Lau Cederholm.

Este ano, o Festival Gastronômico e Cultural de Pirenópolis e a Festim tiveram como tema “Uma homenagem ao Império”. Tratou-se de uma referência não apenas aos tempos do Brasil Imperial, com uma releitura dos pratos típicos daquela época, mas também ao “Império do Divino Espírito Santo”, divulgando os vários aspectos da festa que se constitui na mais rica expressão da religiosidade popular cristã da cidade, e que mobiliza os moradores durante todo o ano para participar da histórica celebração.

Uma das personalidades que prestigiou os eventos foi o príncipe D. João Henrique Orléans e Bragança, apelidado pela mídia de D. Joãozinho, descendente direto de D. Isabel I,  filha de Dom

Pedro II e neta de Dom Pedro I. D. João Henrique pertence à quinta geração de uma família de origem portuguesa que fincou raízes no Brasil a partir de D. Pedro I.  O Festival foi promovido pela Prefeitura Municipal de Pirenópolis e pelo Governo do Estado de Goiás, enquanto a Festim foi realizada pelo Ministério do Turismo.

Festival

Os dois eventos tiveram como objetivo dinamizar a produção associada ao turismo no município, valorizando e promovendo a gastronomia, os produtos orgânicos, os produtos alimentícios manufaturados, os produtos do Cerrado e a identidade do patrimônio imaterial da região. No caso do Festival Gastronômico, o evento reuniu 24 restaurantes. Os estabelecimentos foram divididos entre aqueles que contaram com chefs convidados (dentre eles: Alex Atala, Simon Lau Cederholm, Fernando Barroso, Humberto Marra, André Barros, Rodrigo Sanchez, William Chen Yen), aqueles que tiveram os chefs da casa e os restaurantes típicos.

Nos restaurantes com chefs convidados, os profissionais prepararam pratos finos, utilizando pelo menos um dos ingredientes típicos do Cerrado (vegetação dominante no Estado de Goiás), como baru, pequi, cagaita, guariroba, entre outros. Os estabelecimentos, que trabalharam com chefs da casa, elaboraram, cada um ao seu modo, um prato novo da culinária goiana, com apresentação diferenciada, lançado durante o festival. Já os restaurantes de comidas típicas capricharam no cardápio do almoço, para encantar os que se propuseram a experimentar todas as possibilidades de sabores da região dos Pireneus.

Outra atração do festival foi a Comida de Folia. Durante o evento, realizado em praça pública, foram servidos aos participantes o melhor da gastronomia das tradicionais Folias de Reis, tão presentes na região. Arroz de forno, galinhada, macarrão, feijão de caldo, almôndegas, carne de panela, farofa e diversos outros pratos típicos da festa foram comercializados a preço popular (R$ 1,00), propiciando ao grande público a oportunidade de degustar as delícias da culinária local. Para alegrar a programação do festival, palcos montados nos principais pontos gastronômicos da cidade contaram com artistas que i

nterpretaram o melhor da MPB, do samba e do choro, a exemplo de Grace Carvalho, Nila Branco, Uirapuru Jazz e Demônios da Garoa.

Festim

No caso da 1ª Festa da Cultura Imaterial (Festim), cinco ações compuseram a base da programação. A primeira foi a valorização do patrimônio arquitetônico de Pirenópolis, com a iluminação da fachada das principais edificações históricas da cidade e a implementação nesses locais de uma sinalização, contendo explicações sobre as origens dos imóveis. A segunda foi a realização de uma ampla feira de cultura e gastronomia, a Praça Sabor e Tradição, na qual estandes foram destinados aos moradores de Pirenópolis. Nos estandes, os comerciantes venderam quitutes e quitandas produzidos artesanalmente, interagindo com o público numa área de convivência apropriada para a recepção dos turistas.

Outra atração foi o Colóquio Gastronômico, que consistiu em uma espécie de fórum de debates no qual chefs nacionais, regionais e locais discutiram o tema “Um negócio chamado gastronomia”, observando a interface sócio-cultural e ambiental do assunto. A Aula Show foi outro ponto alto da Festim, pois foi o momento em que chefs e cozinheiros locais apresentaram receitas e técnicas de produção gastronômica. A quinta ação de destaque do evento foi o Almoço Conceito. Na ocasião, o chef Alex Atala apresentou um cardápio que valoriza e respeita o patrimônio natural e cultural da Amazônia, já que Atala desenvolve trabalhos nessa localidade há vários anos.

Pirenópolis

Incrustada aos pés da Serra dos Pireneus, no interior do Estado de Goiás, Pirenópolis fica a 117 Km de Goiânia e a 150 Km de Brasília. Tombada como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, a cidade possui um conjunto arquitetônico, paisagístico, urbanístico que impressiona os visitantes por sua beleza e diversidade. Mesmo com uma bem estruturada rede estruturada de hotéis, pousadas e restaurantes, o município não perde o ar bucólico, marcado pelas cachoeiras, serras e matas que o cercam. Entre os eventos que são destaques do calendário cultural local, e que atraem turistas de várias partes do Brasil, estão as Cavalhadas e a Festa do Divino Espírito Santo.

 




voltar ao topo ↑


Subir! ↑